Marcado: Cidreira

Cidreira garante queima de fogos

FOTO: Litoral na Rede/preparação em Cidreira

FOTO: Litoral na Rede/preparação em Cidreira

A Prefeitura de Cidreira, alegando contenção de despesas, anunciou que não haveria queima de fogos na virada de ano. No entanto, o futuro prefeito, Alex Contini (PP), mobilizou-se e, em parceria com uma cervejaria e empresários locais, foi garantido o espetáculo pirotécnico no Réveillon.
A secretária de Turismo da próxima gestão, Tatiana Weissheimer, explica que toda esta festa será bancada pela iniciativa privada.
Começam demonstrando iniciativa o futuro prefeito Contini e sua equipe, o que deveria ser a tônica na região, afinal o turismo e o veraneio são importantes para o desenvolvimento econômico das cidades litorâneas.

Justiça analisa pedido de anulação de votos em Cidreira

A juíza eleitoral Cristiane Stefanello Scherer está a avaliar mais uma denúncia relacionada à eleição em Cidreira, a mais judicializada até agora do Litoral Norte. Ela foi entregue no Fórum de Tramandaí no dia 1º de dezembro e busca o impedimento da diplomação dos candidatos eleitos a vereador. A liminar referente a este pleito foi negada pela magistrada.
A denúncia enfoca o que seriam algumas candidaturas fictícias que teriam beneficiado determinados candidatos. A juíza Cristiane instituiu uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral. “A simples inexistência de votos e de movimentação financeira na campanha representam apenas indícios de fraude, não sendo motivo suficiente, por si só, para realizar a quebra da vontade popular emanada nas urnas”, afirmou ao negar a liminar.
Audiência será realizada nos próximas dias, sendo possibilitada a inclusão de mais informações.

Cidreira: Justiça julga improcedente pedido da REDE

Eleições 2016A juíza eleitoral Cristiane Stefanello Scherer encerra mais uma polêmica envolvendo a eleição em Cidreira. Ontem foi publicada sua decisão referente a apelo feito pelo diretório nacional do partido Rede que questionava a aliança local com o candidato a prefeito Alex Contini (PP) que acabou eleito.
“Porém, em que pese tais considerações a respeito de obediência a decisão hierarquicamente superior tomada pelo partido político, tempestivamente comunicado à Justiça eleitoral, constata-se que, no presente caso, não há falar em desrespeito às normas ou diretrizes do Diretório Estadual”, definiu a magistrada.
Como já era previsto, Contini será diplomado e empossado. O pleito municipal passou, as pendengas judiciais agora começam a ser passado, e cabe aos eleitos trabalharem pelo município, qualificando a educação, saúde e infraestrutura. Os desafios serão muitos para o próximo prefeito, um novato na política que precisará estar bem assessorado para fazer bem os encaminhamentos em cada área.

Justiça Eleitoral anula votos do PSD em Cidreira

eleicaoNo dia 18 de novembro a juíza eleitoral Cristiane Stefanello Scherer determinou que o PSD de Cidreira fosse afastado da coligação “Oposição de Verdade” em razão de descumprimento de normas durante a convenção partidária. A decisão também estabelece a nulidade dos votos do PSD nesta eleição municipal.
No site do Tribunal Superior Eleitoral consta da eleição municipal realizada em Cidreira uma lista de candidatos com votação nula ou anulada, atingindo inclusive vereadores que haviam, num primeiro momento, conseguido a eleição, caso de Claudião do Maré Cheia (PSD). A candidata a prefeita, Aline Sessim (PSD), aparece com votação zerada. Em setembro os desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) entenderam que a convenção partidária que escolheu a chapa e os 15 candidatos a vereador da legenda não poderia ter sido presidida por Elói Braz Sessim, marido de Aline e ex-prefeito de Cidreira, pois está com os direitos políticos suspensos até 2021.
A investida política de Elói Sessim em Cidreira, através de sua esposa Aline Sessim, revelou-se um retumbante fracasso. Tendo realizado convenções partidárias que acabaram sendo anuladas, agora precisa lidar com tamanho fiasco e cobrança dos ex-apoiadores. Foi eleito prefeito de Cidreira Alex Contini (PP). O atual prefeito, Milton Bueno (PMDB), ficou em segundo lugar.

Defesa de Contini confia em improcedência da ação

justica-eleitoralO advogado Décio Itiberê Oliveira, representante da coligação que elegeu Alex Contini (PP) prefeito de Cidreira, entrou em contato comigo me esclarecendo a respeito do processo que transcorre na Justiça Eleitoral de Tramandaí.
O processo está nas alegações finais, a serem analisadas pela juíza Cristiane Stefanello Scherer. “Tenho convicção de que a ação será julgada improcedente. Ocorre que uns dos fundamentos é que o partido não teria dado legenda para uma filiada. No entanto esta pessoa foi ouvida e disse que ela é que não quis concorrer. Por outro lado, o partido para proibir uma coligação tem que fixar as normas um ano antes e isto não ocorreu”, explica.
Décio também frisa que caso a ação seja considerada procedente, a consequência seria a anulação apenas dos votos da eleição proporcional.

Rede nacional contesta aliança com Contini em Cidreira

Alex Contini (PP)

Alex Contini (PP)

A juíza eleitoral do Fórum de Tramandaí, Cristiane Stefanello Scherer, tem nas mãos um polêmico caso para decidir, pois envolve a possibilidade de invalidação de eleição do prefeito de Cidreira. No pleito, realizado em 2 de outubro, foi vitorioso Alex Contini, do PP. No entanto, há contestações referentes às convenções partidárias da coligação que elegeu Contini. A Rede local decidiu apoiá-lo na campanha a prefeito, contrariando as suas diretrizes nacionais de não alinhamento a partidos que apoiaram o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Os advogados da Rede, em nível nacional, ingressaram com pedido de impugnação de ata no Fórum de Tramandaí.
Os adversários de Contini torcem para que ocorra impugnação de candidatura, podendo levar a nova eleição em Cidreira em janeiro. A sentença é aguardada para os próximos dias.

Coligações eleitas no Litoral buscam cooptar opositores

coligacao-politicaEm Santo Antônio da Patrulha, Tramandaí e Cidreira foi eleita para as câmaras municipais uma maioria de vereadores de oposição. O quadro, num primeiro momento, é complicado para o futuro prefeito de Cidreira, Alex Contini (PP), pois conta com apenas três vereadores da sua coligação. Contini vem jogando charme para o PSB, acenando inclusive com uma Secretaria para este partido que tem dois assentos garantidos no Legislativo a partir de 2017.
Em Tramandaí o prefeito eleito Luiz Carlos Gauto (PP) está com seis vereadores da sua aliança. Desta forma, o futuro governo olha com interesse o apoio do vereador eleito Luiz Machado da Silva, do PPS, integrante da coligação que tentou a reeleição de Edegar Rapach (PMDB). Cargos no Executivo Municipal poderão entrar em jogo.
Em Santo Antônio da Patrulha, onde foi eleito prefeito Daiçon Maciel (PMDB), a oposição elegeu nove vereadores, revelando um quadro complexo para o próximo governo. Evidente que haverá tentativas de cooptação de parlamentares da oposição. Os alvos tendem a ser as bancadas do Solidariedade (SD) e do Partido Socialista Brasileiro (PSB) que somam três cadeiras, sendo legendas emergentes no município.