Marcado: Hospital de Osório

Qual é a dívida do Hospital de Osório?

Vereadores fizeram perguntas à direção do Hospital

Uma pergunta que surgiu, durante sabatina feita pelos vereadores de Osório à direção do Hospital São Vicente de Paulo, ocorrida nesta terça-feira (20), foi a respeito do volume da dívida da entidade.
Os dois dirigentes do Hospital afirmaram não ter em mãos os dados totais da dívida, mas uma empresa de contabilidade está fazendo um levantamento destes débitos e sua totalização.
Evidente que a situação financeira do São Vicente é preocupante, daí o surgimento desta pergunta, já que a administração municipal está prestes a renovar sua intervenção a partir de 14 de julho.
Hoje a dívida com os médicos está em R$ 592 mil e o déficit mensal fica em cerca de R$ 200 mil. Estes números já revelam um quadro preocupante. O diretor Márcio Rolim e sua equipe desdobram-se para contornar a crise.

Hospital de Osório terá intervenção renovada

Márcio Rolim

Hoje à noite, na Câmara Municipal de Osório, aconteceu reunião entre a direção do Hospital São Vicente de Paulo, Conselho Municipal de Saúde e o conselho gestor, formado quando da intervenção da administração municipal na entidade.
Os conselhos reclamaram da falta de reuniões com a direção do Hospital. Conforme Claudio Paranhos, houve duas reuniões apenas em 11 meses. Paranhos é o coordenador regional de Saúde e vem fazendo várias cobranças aos gestores do Hospital no tocante à legislação que regula a intervenção, pois integra o respectivo conselho.

Ver. Martim Tressoldi

O presidente do Legislativo, Martim Tressoldi (PSDB), fez um chamamento para que o diretor do Hospital, Márcio Rolim, e o coordenador de Saúde, Claudio Paranhos, cheguem a um entendimento, pois a falta de sintonia entre os dois está bastante visível, o que toma cor partidárias na medida em que Márcio é do PDT e Paranhos do PMDB. “Vamos criar um grupo para implantar UTI no Hospital de Osório”, afirmou Tressoldi.
O São Vicente está com 312 funcionários e tem déficit mensal de R$ 200 mil. No dia 14 de julho se encerra a intervenção. Ela será prorrogada, mas é claro o entendimento de que não durará para sempre.
Márcio Rolim explicou que há tratativas com uma equipe do Hospital de Clínicas para avaliar a implantação de UTI no São Vicente. “Sabemos da necessidade deste setor no Hospital”, ressaltou.

Vereador Martim Tressoldi cobra UTI no Hospital de Osório

Ver. Martim Tressoldi

Hoje à noite, na sessão da Câmara Municipal de Osório, o vereador Martim Tressoldi (PSDB) enfocou a ausência de unidades de tratamento intensivo (UTIs) no Hospital São Vicente de Paulo. Estes setores especializados jamais foram colocados em atuação nesta entidade, sempre esbarrando na escassez de recursos, mas também em decorrência da falta de gestão especializada em certas áreas.
Tressoldi afirmou na tribuna que pacientes de Osório estão sendo atendidos em UTIs de hospital de Rio Grande, cidade localizada a 324 quilômetros de distância pela BR 101 e a 412 quilômetros indo pela BR 116. “Se for necessários iremos todos nós, os nove vereadores, a Brasília para reivindicar UTI para Osório”, conclamou. Segundo ele, a administração municipal investe milhões no Hospital, mas infelizmente pacientes da cidade acabam sendo atendidos em outros hospitais.
GESTÃO ESPECIALIZADA
Há sete anos bato na necessidade de uma gestão especializada para o Hospital de Osório, colocando-o definitivamente alinhado a inovações tecnológicas e recursos humanos em constante qualificação. Hoje o Hospital está sob intervenção municipal, em razão dos problemas gravíssimos verificados em gestões anteriores.

Hospital de Osório segue sob intervenção municipal

Hospital São Vicente

Tenho em mãos o decreto municipal que decretou estado de calamidade pública do Sistema Único de Saúde (SUS) em Osório, o que gerou a intervenção no Hospital São Vicente de Paulo. Este decreto expira em 14 de julho deste ano, o que motiva uma série de indagações a respeito do futuro da instituição.
Em seu artigo 12, o decreto afirma que a gestão do Hospital, realizada pela administração municipal de Osório, poderá contratar consultoria especializada para a implantação de um novo modelo de gestão.
Amanhã haverá reunião da direção do Hospital com a Coordenadoria Regional de Saúde, pois está sendo cobrada a realização de reuniões periódicas do conselho gestor do Hospital, assim como o repasse de informações sobre o andamento da intervenção.

Santa Casa fará gestão do Hospital de Santo Antônio

Gestão do prefeito Daiçon comemora convênio

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e a prefeitura de Santo Antônio da Patrulha assinaram, nesta terça-feira (4), convênio cujo propósito é a gestão do hospital do município com a parceria da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). A solenidade ocorreu na Câmara Municipal de Vereadores da cidade, que completa 206 anos de existência. “Pretendemos criar e praticar um modelo diferenciado de assistência ao Sistema Único de Saúde (SUS), integrando horizontalmente o cuidado ao paciente desde a rede básica municipal de saúde até o atendimento hospitalar”, explica o diretor-geral e de Relações Institucionais da Santa Casa, Julio Flávio Dornelles de Matos. A meta, complementa ele, é disseminar este modelo dentro do Rio Grande do Sul, beneficiando os oito milhões de gaúchos que só contam com o SUS como alternativa de saúde. É a primeira vez que a Santa Casa implementa este modelo de atuação.
HOSPITAL DE OSÓRIO
O Hospital São Vicente de Paulo está sob intervenção do município, pois padeceu durante gestão filantrópica, marcada pela improvisação e falta de visão de futuro. Há sete anos aponto a necessidade de se qualificar o Hospital osoriense através da atuação de uma entidade especializada, mas a política e interesses privados teimam em manter modelo fracassado.

Criança nasce em barco na Lagoa dos Patos

Mãe e crianças foram atendidas no Hospital de Osório

Mãe e crianças foram atendidas no Hospital de Osório

Recebi da assessoria de imprensa do Hospital de Osório o relato do nascimento de uma criança em um barco de pescador na Lagoa dos Patos. A mãe ali mesmo iniciou seu trabalho de parto, dando à luz Jhulya, com 48 centímetros e pesando 3,170 quilos. O pai, Jurani Silva, é pescador e naquele dia havia levado a esposa Paloma para o trabalho.
Este caso aconteceu em Palmares do Sul, com o primeiro atendimento sendo feito pelas unidades locais de saúde. Depois a criança, mãe e pai foram trazidos de ambulância para o Hospital São Vicente de Paulo, em Osório.
Mãe e filha passaram por exames, todos com bons resultados, tendo já retornado para sua casa. O casal tem outra filha, Eduarda, de três anos. A família aumentou num dia quente de verão e em plena Lagoa dos Patos, numa história marcada pela forte emoção.

Hospital de Osório sob intervenção

Hospital de Osório

Hospital de Osório

O Hospital São Vicente de Paulo está ligado umbilicalmente à Prefeitura de Osório, em razão da intervenção desta na sua gestão. O interventor Márcio Rolim tem buscado qualificar os serviços prestados pela entidade, no entanto cabe-nos fazer questionamentos; aliás há sete anos apontamos a necessidade de destinar a gestão do Hospital a uma entidade especializada.
Ele continua sem UTIs e serviço de traumatologia 24 horas, algo inadmissível para uma entidade que se quer regional, visando evitar a ambulancioterapia rumo a Porto Alegre e outras cidades.
Às portas da verão, a demanda por atendimento vai crescer muito. O certo é que os recursos são escassos, complicados pela baixa dos repasses públicos. No entanto, a evolução tecnológica dos hospitais ocorre. Basta ver a recente inauguração de UTIs em hospital de Campo Bom e o desenvolvimento destas instituições em Tramandaí, Capão da Canoa e Torres. Em Osório a crise se faz sentir mais forte, em razão dos modelos adotados.