Marcado: Hospital de Osório

Vereador denuncia irregularidades no Hospital de Osório

Ver. Roger Caputi

Hoje o vereador Roger Caputi (PMDB), como já vinha sendo esperado, fez algumas denúncias referentes ao Hospital São Vicente de Paulo que encontra-se sob intervenção da administração municipal. Segundo ele, o funcionário concursado da Prefeitura, Flávio Augusto Porto Alegre Dias, também estava lotado no Hospital. No Executivo Municipal é agente administrativo, tendo que cumprir 44 horas semanais; ao mesmo tempo em que estava recebendo também pelo Hospital pela jornada de 20 horas como técnico em contabilidade. Esta situação se deu entre julho de 2016 e abril de 2017.
Como começaram as investigações, Flávio deixou o cargo no Hospital em abril. Conforme levantamento realizado, ele recebia, somados os dois vencimentos, cerca de R$ 9 mil por mês, inclusive horas-extras da administração municipal.
Caputi frisou que o funcionário em questão é o fiscal do contrato da Prefeitura com o Hospital. As notas de prestação do serviço do São Vicente eram feitas por um sobrinho de Flávio. “Vamos encaminhar esta denúncia ao Ministério Público”, afirmou o vereador que ainda abordou o suposto superfaturamento de ambulâncias durante a Operação Verão.
“É vergonhoso”, desabafou o presidente da Câmara, Martim Tressoldi (PSDB), que parabenizou o vereador Roger Caputi e sua assessoria pelo trabalho realizado.
Já o líder da bancada do PDT, Beto Gueiê (PDT), procurou contemporizar. “Vamos ver o que aconteceu para não cometermos injustiças. Para o governo punir a quem tenha que punir”, apontou.

Anúncios

PMDB de Osório cobra audiência pública sobre Hospital

Hospital de Osório

Ontem, na sessão da Câmara Municipal, o vereador Lucas Azevedo (PMDB) fez uma forte cobrança em relação a informações sobre a situação do Hospital São Vicente de Paulo. Segundo ele, é necessária a realização de uma audiência pública com a comunidade para que a direção do Hospital mostre a situação financeira da instituição. A questão é envolta em cobranças de lado a lado, pois o PDT costuma apontar o atraso dos repasses do Governo do Estado para o Hospital.
O São Vicente encontra-se sob intervenção municipal e já vazam boatos de que sua gestão será passada para uma instituição especializada, talvez a Santa Casa, de Porto Alegre. Pelo andar da carruagem, deverá ser marcada a audiência pública.
Na mesma sessão o vereador Beto Gueiê (PDT) fez críticas à direção do Hospital, pois houve contratempos no encaminhamento de dois pacientes que foram acompanhados pelo gabinete do parlamentar.

Prefeitura de Osório reduz serviços contratados no Hospital

Hospital de Osório

A Prefeitura de Osório vai reduzir a compra de serviços no Hospital São Vicente de Paulo. A entidade segue se desdobrando para atender a população, sendo afetados diretamente os setores de traumatologia e ortopedia. Os exames de ecografia também foram reduzidos. Os médicos estão com salários atrasados, tendo recebido 50% de junho.
O São Vicente encontra-se sob intervenção da administração municipal, desde a saída da mantenedora filantrópica. Soluções são procuradas pelo diretor Márcio Rolim, procurando manter um bom atendimento no setor de emergência.
Uma das saídas para o Hospital seria passar seu comando a uma entidade especializada, o que já foi feito pelos hospitais de Tramandaí, Capão da Canoa, Torres e Santo Antônio da Patrulha.

Qual é a dívida do Hospital de Osório?

Vereadores fizeram perguntas à direção do Hospital

Uma pergunta que surgiu, durante sabatina feita pelos vereadores de Osório à direção do Hospital São Vicente de Paulo, ocorrida nesta terça-feira (20), foi a respeito do volume da dívida da entidade.
Os dois dirigentes do Hospital afirmaram não ter em mãos os dados totais da dívida, mas uma empresa de contabilidade está fazendo um levantamento destes débitos e sua totalização.
Evidente que a situação financeira do São Vicente é preocupante, daí o surgimento desta pergunta, já que a administração municipal está prestes a renovar sua intervenção a partir de 14 de julho.
Hoje a dívida com os médicos está em R$ 592 mil e o déficit mensal fica em cerca de R$ 200 mil. Estes números já revelam um quadro preocupante. O diretor Márcio Rolim e sua equipe desdobram-se para contornar a crise.

Hospital de Osório terá intervenção renovada

Márcio Rolim

Hoje à noite, na Câmara Municipal de Osório, aconteceu reunião entre a direção do Hospital São Vicente de Paulo, Conselho Municipal de Saúde e o conselho gestor, formado quando da intervenção da administração municipal na entidade.
Os conselhos reclamaram da falta de reuniões com a direção do Hospital. Conforme Claudio Paranhos, houve duas reuniões apenas em 11 meses. Paranhos é o coordenador regional de Saúde e vem fazendo várias cobranças aos gestores do Hospital no tocante à legislação que regula a intervenção, pois integra o respectivo conselho.

Ver. Martim Tressoldi

O presidente do Legislativo, Martim Tressoldi (PSDB), fez um chamamento para que o diretor do Hospital, Márcio Rolim, e o coordenador de Saúde, Claudio Paranhos, cheguem a um entendimento, pois a falta de sintonia entre os dois está bastante visível, o que toma cor partidárias na medida em que Márcio é do PDT e Paranhos do PMDB. “Vamos criar um grupo para implantar UTI no Hospital de Osório”, afirmou Tressoldi.
O São Vicente está com 312 funcionários e tem déficit mensal de R$ 200 mil. No dia 14 de julho se encerra a intervenção. Ela será prorrogada, mas é claro o entendimento de que não durará para sempre.
Márcio Rolim explicou que há tratativas com uma equipe do Hospital de Clínicas para avaliar a implantação de UTI no São Vicente. “Sabemos da necessidade deste setor no Hospital”, ressaltou.

Vereador Martim Tressoldi cobra UTI no Hospital de Osório

Ver. Martim Tressoldi

Hoje à noite, na sessão da Câmara Municipal de Osório, o vereador Martim Tressoldi (PSDB) enfocou a ausência de unidades de tratamento intensivo (UTIs) no Hospital São Vicente de Paulo. Estes setores especializados jamais foram colocados em atuação nesta entidade, sempre esbarrando na escassez de recursos, mas também em decorrência da falta de gestão especializada em certas áreas.
Tressoldi afirmou na tribuna que pacientes de Osório estão sendo atendidos em UTIs de hospital de Rio Grande, cidade localizada a 324 quilômetros de distância pela BR 101 e a 412 quilômetros indo pela BR 116. “Se for necessários iremos todos nós, os nove vereadores, a Brasília para reivindicar UTI para Osório”, conclamou. Segundo ele, a administração municipal investe milhões no Hospital, mas infelizmente pacientes da cidade acabam sendo atendidos em outros hospitais.
GESTÃO ESPECIALIZADA
Há sete anos bato na necessidade de uma gestão especializada para o Hospital de Osório, colocando-o definitivamente alinhado a inovações tecnológicas e recursos humanos em constante qualificação. Hoje o Hospital está sob intervenção municipal, em razão dos problemas gravíssimos verificados em gestões anteriores.

Hospital de Osório segue sob intervenção municipal

Hospital São Vicente

Tenho em mãos o decreto municipal que decretou estado de calamidade pública do Sistema Único de Saúde (SUS) em Osório, o que gerou a intervenção no Hospital São Vicente de Paulo. Este decreto expira em 14 de julho deste ano, o que motiva uma série de indagações a respeito do futuro da instituição.
Em seu artigo 12, o decreto afirma que a gestão do Hospital, realizada pela administração municipal de Osório, poderá contratar consultoria especializada para a implantação de um novo modelo de gestão.
Amanhã haverá reunião da direção do Hospital com a Coordenadoria Regional de Saúde, pois está sendo cobrada a realização de reuniões periódicas do conselho gestor do Hospital, assim como o repasse de informações sobre o andamento da intervenção.