Marcado: Osório

Qual é o futuro do Hospital?

Integrantes do IAHCS conversam com prefeito

Recém foi decidida a manutenção da intervenção da administração municipal de Osório no Hospital e seus dirigentes e o prefeito se reuniram na última sexta-feira (10) com o Instituto de Administração Hospitalar (IAHCS) para este tratar de uma possível gestão do São Vicente.
Não queremos desmerecer reuniões e negociações deste tipo, muito pelo contrário. O problema é a procrastinação e a falta de decisões definitivas, afinal a dívida do Hospital é muito grande e ele não conta com traumatologia, UTI e outros serviços essenciais para a população de Osório e região. Mais uma vez pergunto: onde estão os líderes realmente proativos da comunidade?

Anúncios

Promessa de 2012: alta complexidade no Hospital de Osório

Informativo da Prefeitura é de maio de 2012

Remexendo numa caixa aqui no escritório, deparei-me com uma publicação de maio de 2012 feita pela Prefeitura de Osório, ou seja, paga pelo contribuinte. Na capa o anúncio de ações para instalação de serviços de alta complexidade no Hospital São Vicente de Paulo, algo que hoje está mais para conto da carochinha do que qualquer outra coisa.
A matéria afirma que será implantada UTI com 19 leitos, tendo setores para adultos e recém-nascidos. Fala ainda em prazo de entrega desta obra, previsto em contrato para dentro de 18 meses.
A revista foi publicada no último ano da gestão do prefeito Romildo Bolzan Júnior, período em que a administração municipal navegava em dinheiro. Hoje o quadro mudou e o Hospital enfrenta severa crise financeira. Claro que a UTI ficou só no papo e alta complexidade nem se fala, pois a falta de recursos e os problemas operacionais impedem inovações e implantação de novos serviços.

Licenciamento ambiental é criticado na Câmara de Osório

Ver. Martim Tressoldi

Os licenciamentos ambientais, sob encargo do Executivo Municipal, têm sido alvo de críticas no Legislativo. Ontem o vereador Martim Tressoldi (PSDB) falou na tribuna nos problemas deste setor, chegando a citar o caso de um empreendimento que está há 50 dias esperando a documentação da Secretaria do Meio Ambiente. Tressoldi é aliado do governo do prefeito Eduardo Abrahão (PDT), mas não poupou a administração municipal.
Da minha parte entendo que o uso excessivo de cargos em comissão (CCs) e a falta de quadro técnicos experientes e realmente capacitados geram problemas, ainda mais numa área muito sensível como o meio ambiente. Tressoldi havia abordado esta questão na sessão da semana passada e o Executivo sentiu o golpe. Tanto que o prefeito foi a uma emissora local onde deu uma série de explicações.
Paralelo a este debate surge a questão do saneamento e tratamento de esgoto, embargado em razão de ação judicial desencadeada em Santo Antônio da Patrulha. O município de Osório tem questões pendentes e precisa ter agilidade, sob pena de prejudicar e seu meio ambiente, ao mesmo tempo em que precisa viabilizar obras pequenas e empreendimentos de maior porte.

Oposição cobra respostas dos pedidos de informação

Já faz tempo que o MDB de Osório vem cobrando do Executivo Municipal as respostas aos seus diversos pedidos de informação. Os vereadores oposicionistas criticam a falta de atendimento às solicitações, apontando até a possibilidade de um pedido de impeachment do prefeito Eduardo Abrahão em razão de descumprimento da legislação.
Os poderes são independentes e o que chama a atenção é o atrito por questões pequenas que poderiam ser resolvidas com periódicas reuniões e uma melhor troca de informações entre Câmara e Prefeitura.
O MDB explora a questão, pois não deixa de estar com razão. Já o Executivo deveria ser mais proativo neste quesito, qualificando seu relacionamento com o Legislativo.

Prefeitura de Osório prevê redução orçamentária

Em ofício enviado à Câmara na semana passada, a administração municipal de Osório já antevê a redução da receita em 2019. Neste documento, a secretária de Finanças, Silvana Almeida, pede prorrogação do prazo para entrega da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o exercício de 2019 por 15 dias.
Conforme ela, este prazo extra é necessário para adequação orçamentária e financeira por parte do Executivo, tendo em vista a queda de arrecadação prevista para o ano que vem.
É visível a contenção de gastos por parte da gestão do prefeito Eduardo Abrahão, no que faz bem, afinal é preciso priorizar os setores essenciais e projetos relevantes e em andamento.

Candidatura de Romildo é especulada no PDT de Osório

Romildo Bolzan Jr.

O jornalista Antão Sampaio, que mantém estreitas relações com o PDT local, publica em rede social a respeito da possibilidade de Romildo Bolzan Júnior voltar a ser candidato a prefeito em Osório em 2020, tendo como vice o empresário Calu Anflor.
Sob o prisma do PDT, trata-se de uma especulação com pleno fundamento, em razão da liderança que Romildo representa, hoje presidindo o Grêmio.
Mas mais do que um interesse de um importante setor pedetista, uma especulação deste tipo está a revelar um vácuo na oposição política de Osório, hoje tendo papel bem diferente do que aquele verificado no primeiro governo do prefeito Eduardo Abrahão (PDT).
Entram nos contornos deste quadro o PSDB, PP e PT, partidos que estão apoiando o Governo Abrahão. Caso se mantenham alinhados ao governo pedetista, Romildo ficará ainda mais fortalecido.

Apoio financeiro ao Hospital é discutido na Câmara de Osório

Ver. Valério dos Anjos

Na sessão de hoje, da Câmara de Osório, o vereador Valério dos Anjos (PDT) fez críticas ao condicionamento do recebimento de recursos vindos do Governo do Estado para a saúde local. O pedetista afirmou que deveriam ser direcionados recursos de outros municípios para o Hospital São Vicente de Paulo. Está havendo negociação no sentido de a administração municipal abrir mão de parte dos R$ 1,9 milhão em favor do Hospital, o que foi sugerido pelo Governo do Estado.
O vereador Roger Caputi (MDB) ressaltou que o Governo Sartori quer entendimento. “Estamos tentando achar uma solução. A intervenção da administração municipal no São Vicente não resolveu os seus problemas financeiros”, apontou.
O vereador Beto Gueiê (PDT) foi à tribuna e disse que estava ocorrendo chantagem em relação ao município por parte do Governo do Estado. “A responsabilidade da administração municipal é com as unidades sanitárias. O MDB não teve coragem de assumir a gestão do Hospital”, disparou. “Está havendo jogo político nesta questão”.
EMENDA PARA O HOSPITAL
O vereador Ed Moraes (MDB) anunciou na mesma sessão uma emenda de R$ 1 milhão para o Hospital de Osório que virá em novembro. São recursos voltados ao custeio da entidade. Trata-se de uma gestão realizada pelo deputado federal Alceu Moreira (MDB).