Marcado: Sérgio Moro

Sentença de Moro tem pontos frágeis

Lula x Moro

Andei lendo a sentença condenatória de Lula, elaborada pelo juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal. O magistrado vale-se de matérias jornalísticas para embasar suas decisões, coisa que causa muita estranheza, dada a tendência mostrada por tais veículos em relação a Lula e seus companheiros.
Moro tece longos comentários para desvencilhar-se das acusações de que seria parcial, algo que novamente turva a sentença, pois aparenta uma justificativa diante da assimetria verificada nas sentenças, já que tucanos estão se saindo bem diante de acusações mais severas.
No tocante às provas contra Lula, evidente que falta embasamento. Não é comprovada, mediante documentos, a propriedade do ex-presidente em relação ao famoso apartamento triplex. Há depoimentos, convicções, mas embasamento factual e documental não, de forma que o juízo fica prejudicado.
“A vantagem indevida seria dividida entre os agentes da Petrobrás e agentes políticos ou partidos políticos que os sustentavam. Parte dela veio a integrar a conta corrente geral de propinas mantida entre o Grupo OAS e o Partido dos Trabalhadores, da qual foi abatido o preço do apartamento 164-A, triplex, e o custo das reformas, corporificando vantagem indevida paga ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, afirma Moro. Ele diz que não está em julgamento a propriedade do apartamento, mas os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ora, mas não há como comprovar estas acusações, já que não há materialização do delito em relação a Lula, pois ele não usufruiu da posse do imóvel nem obteve vantagem correspondente. Este é o ponto mais frágil da argumentação do juiz paranaense. Para ler a sentença de Sérgio Moro clique aqui.

Anúncios